sábado, 31 de janeiro de 2009

Beleza a qualquer preço... (Alma minha encontrada em tanta simplicidade...) Sônia S Ferri


Enquanto ouço o noticiário na TV, navego na internet lendo e respondendo e-mail(s), dando uma espiadinha no orkut e atualizando o blog.
Novamente, me pego indignada com "mais uma morte", por causa de lipoaspiração, em função da "beleza a qualquer preço".
Então me pergunto? O que é "beleza"? O que é afinal beleza, para essas pessoas que se sujeitam a perder a vida por uma corrida insana em busca do corpo perfeito? E para mim, o que é beleza para mim, que me revolto em ver como as pessoas são fúteis?
Ah, a beleza... formosura, coisa bela (segundo o dicionário).
Ah, a beleza... Um prato bem arrumado com muitos "negrinhos" (ou brigadeiro, como queiram), lindo demais!!! Uma macarronada amarelinha com aquele molho vermelinho, muito queijo ralado (hummmm) e um macinho de cheiro verde para enfeitar!!! Um pudim de chocolate, todo marronzinho (uiasss)!!! Uma mulher com corpinho redondinho e nele escrito "gostosa" em braile (leia-se: algumas celulites...hihihihi).
Um homem cheirosinho com uma salienciazinha na região abdominal (leia-se: barriguinha de cerveja...hehehehe).
E finalmente...
Ah, a beleza... seios durinhos pra sempre, barriguinha sarada, bumbum empinado, coxas roliças, peito largo, bíceps, tríceps, tanquinho, viagra... Ufa! Cansei.
Isso não é beleza, isso é tristeza.
Por favor, olhem mais para o espelho interior de cada um, façam muito exercício sim porque é saudável (apesar de eu não conseguir nem pensar em academia), mas exercitem mais o cérebro e pratiquem mais a solidariedade e o amor ao próximo, mesmo que esse próximo não esteja tão próximo assim.

terça-feira, 27 de janeiro de 2009


Juventude eterna
(Martha Medeiros)

Essa história que eu vou contar agora aconteceu com uma mulher inteligente que estava fazendo uma palestra.
Diz ela: Mês passado participei de um evento sobre o Dia da Mulher. Era um bate-papo com uma platéia composta de umas 250 mulheres de todas as raças, credos e idades.
E por falar em idade, lá pelas tantas, fui questionada sobre a minha e, como não me envergonho dela, respondi. Foi um momento inesquecível...
A platéia inteira fez um 'oooohh’ de descrédito.
Aí fiquei pensando: pô, estou neste auditório há quase uma hora exibindo minha inteligência, e a única coisa que provocou uma reação calorosa da mulherada foi o fato de eu não aparentar a idade que tenho?
Onde é que nós estamos?
Onde não sei, mas estamos correndo atrás de algo caquético chamado ”juventude eterna”.
Estão todos em busca da reversão do tempo.
Acho ótimo, porque decrepitude também não é meu sonho de consumo, mas cirurgias estéticas não dão conta desse assunto sozinhas.
Há um outro truque que faz com que continuemos a ser chamadas de senhoritas mesmo em idade avançada.
A fonte da juventude chama-se mudança.
De fato, quem é escravo da repetição está condenado a virar cadáver antes da hora.
A única maneira de ser idoso sem envelhecer é não se opor a novos comportamentos,
é ter disposição para guinadas.
Eu pretendo morrer jovem aos 120 anos.
Mudança, o que vem a ser tal coisa? Minha mãe recentemente mudou do apartamento enorme em que morou a vida toda para um bem menorzinho.
Teve que vender e doar mais da metade dos móveis e tranqueiras, que havia guardado e, mesmo tendo feito isso com certa dor, ao conquistar uma vida mais compacta e simplificada, rejuvenesceu.
Uma amiga casada há 38 anos cansou das galinhagens do marido e o mandou passear, sem temer ficar sozinha aos 65 anos. Rejuvenesceu.
Uma outra cansou da pauleira urbana e trocou um baita emprego por um não tão bom, só que em Florianópolis, onde ela vai à praia sempre que tem sol. Rejuvenesceu.
Toda mudança cobra um alto preço emocional. Antes de se tomar uma decisão difícil, e durante a tomada, chora-se muito, os questionamentos são inúmeros, a vida se desestabiliza.
Mas então chega o depois, a coisa feita, e aí a recompensa fica escancarada na face.
Mudanças fazem milagres por nossos olhos, e é no olhar que se percebe a tal juventude eterna. Um olhar opaco pode ser puxado e repuxado por um cirurgião a ponto de as rugas sumirem, só que continuará opaco porque não existe plástica que resgate seu brilho.
Quem dá brilho ao olhar é a vida que a gente optou por levar. Olhe-se no espelho...

“Aprendi com as primaveras a me deixar cortar para voltar sempre inteira”
Cecília Meireles

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Rearranjando a lucidez em meio ao caos e a loucura!!! Sônia S Ferri




Entre tonterias e ânsias.....
êxtase... excitação....
felicidade....
medo....angústia....
ansiedade...
Carros, buzinas....
loucura e caos....

Tento rearranjar a lucidez...
E a visita chega novamente...
sorrateiramente...
bate a porta...
E invade tudo...
E deixa um vazio aterrador...